quarta-feira, 30 de maio de 2018

Eu (quase) nunca sonho

Eu quase nunca tenho sonhos, ou então esqueço-me deles. Mas, esta noite, aconteceu.
O homem da sapataria hesitava na cor da calçadeira que me ia oferecer. Preta ou da cor do leite com um pingo de café? Deu-me, afinal, uma gravata vermelha, e acordei.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!