segunda-feira, 10 de julho de 2017

Tradições portuguesas #2573: levar na bilha.

"As formas de ativação do patrocínio usadas, incluindo os convites para integrar a comitiva de apoio nos jogos, são práticas tradicionais seguidas por diversas empresas e não tiveram outro objetivo que não fosse o apoio à Seleção Nacional."
(Nota da GALP à imprensa, sobre o a constituição de três secretários de Estado como arguidos no inquérito sobre viagens pagas pela petrolífera para jogos do Euro 2016; 10.07.2017).
Para além da bela expressão "ativação do patrocínio", que passarei a utilizar para me referir à corrupçãozinha portuguesa, retenho que a coisa é uma "prática tradicional". E, se é tradicional, é como as touradas: vai custar muito a exterminar...


O caso "GALP" já foi tratado nestas páginas em 2014, numa altura em que nem havia governo da geringonça. Também então notei uma expressão deliciosa num comunicado da petrolífera: "pareceres jurídicos de reputados jurisconsultos", que até inspirou um poeta:
Pareceres jurídicos
De reputados jurisconsultos.
Pela calada da noite...
Há lamberes caríssimos
De putas. Felácios ocultos,
A liquefazer, em salpicos,
Os recatados vultos.
Há prazeres pudicos,
Requintados e cultos.
E há saberes mais sádicos,
Em murmurados insultos.
Augusto de Lima, Bobadela, 2014

Sem comentários:

Enviar um comentário

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!