segunda-feira, 13 de junho de 2016

O confuso mundo de hoje: uma fábula (1)

O grupo preparava o piquenique anual e discutia-se o que comer e o que comprar. Quando se propôs uma data, alguém comentou que nesse dia ia chover:
«... é que os meus joelhos não enganam...»
António, o organizador, garantiu que não. Mas logo outro, timidamente, informou que, consultado o Instituto Português do Mar e da Atmosfera:
«é muito provável que chova nesse dia.»
António, secundado por Nuno Duarte, o condutor da camioneta, chamou-lhe Velho do Restelo e disse que não, não ia chover. Quando o terceiro sacou da previsão do Weather Channel e disse:
«mas até os americanos quase garantem que vai chover!»,
António manteve a calma, sorriu e disse:
«não vês que é melhor ser otimista? Não se perde nada em pensar positivo e o sol acabará por aparecer!»
Ainda assim, houve outro que se atreveu:
«estou a olhar para o Accuweather e aqui também diz que há 90% de probabilidade de chuva...»
António, Nuno Duarte e a maioria dos piqueniqueiros, cansados de objeções, exaltaram-se:
«mas vós quereis chamar a chuva, ó maus-caracteres
 Os outros responderam:
«não, não é isso; só queremos dizer que, para além de rezar para que não chova, podemos escolher outra data para o piquenique, não comprar já as vitualhas ou, pelo menos, levar impermeáveis e guarda-chuvas!»









Sem comentários:

Enviar um comentário

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!