segunda-feira, 13 de junho de 2016

O confuso mundo de hoje: um poema (2)

Depois de ver alguma desorientação nos pensadores políticos que têm sempre uma explicação muito à esquerda sobre o terrorismo, o Poeta Augusto de Lima improvisou sobre o habitual guardanapo de papel, antes do digestivo:
O terror é mau, mas...
Quando mataram os de Bruxelas e os do Charlie,
Pouco me importei com isso,
A culpa era das políticas de austeridade e do capitalismo.
Entretanto, mataram na Nigéria e na Síria,
Mas também pouco me importei com isso,
A culpa era da ingerência ocidental e do imperialismo.
Agora, em Orlando, mataram os gays
E eu fiquei sem saber o que dizer.
Ando para aqui aos papéis...

Augusto de Lima, na linha do eterno Bertold Brecht e do menos eterno Martin Niemöller, em S. Vicente do Grove (Galiza), 2016.




2 comentários:

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!