quarta-feira, 25 de maio de 2016

Vão papqop

Miguel A. Lopes /LUSA

Hoje anda toda a gente a comentar o «estudo» feito pelo governo, no Google Maps, para fundamentar a não renovação dos contratos de associação com algumas escolas particulares e cooperativas. Este exemplo é citado até à exaustão, até pela imprensa:


TSF

Eu não tenho nenhuma simpatia por escolas da igreja ou de inspiração confessional - acho até que nunca deviam poder assinar contratos com o Estado (lá diz a Constituição no seu artigo 43.º que...). Corte-se, portanto, o financiamento a este Externato Liceal. Corte-se, e já, sem mais explicações, todo o financiamento público a escolas que seguem diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas - e chame-se a explicar-se todo e qualquer responsável político que decidiu ou deu cobertura a estes casos.
 
Mas não andemos a fingir que não vemos o problema. O problema é que há 27 (vinte e sete!) escolas públicas próximas umas das outras, algumas delas quase vazias. E, certamente, algumas são novas, ou tiveram obras recentes. Quando é que os portugueses entenderão que este é que é o problema? Quando é que os jornalistas e os políticos passarão a ser gente séria? Quando é que se exigirá o encerramento destes estabelecimentos supérfluos, caros e irracionais - como fizeram, sem o mesmo tipo de cuidados, com escolas e outros serviços públicos no interior do país?



Sem comentários:

Enviar um comentário

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!