domingo, 15 de maio de 2016

Coisas que se dizem

Na posta de há uns dias, que falava em Camões e nas consoantes mudas, um leitor comentou com uns insultos. Foi a primeira vez que eliminei um comentário por estar em desacordo comigo ou, até, por ser desagradável. Desta vez era demais, e ainda por cima escrito com os pés, o que acho inadmissível. Fiz mal: agora, que recordo o comentário, tenho pena de o ter eliminado. A coisa tinha a ver com eu ser um imbecil ignorante, que nem Camões ou Pessoa respeitava, e um capacho dos brasileiros. Gostava de poder dizer duas coisas a esse leitor.



Coisa n.º 1: Camões nunca aderiu à ortografia de 1990. É um facto indesmentível, que o Comendador Marques de Correia confirma neste artigo «Abram alas para o Portas». Mas convém também que se diga que Camões usava uma ortografia bastante próxima da que, na sua época, se utilizava no Brasil. Espero não estar a chocar o leitor que me insultou, nem a legião de portugueses que pensam como ele, mas esta é uma verdade, tal como é verdade que Camões morreu há muitos anos. Sim. Lamento... Por isso, senhores puristas, vamos lá dobrar a língua: é provável que Camões preferisse a ortografia de 1990 à de 1911 ou à de 1945.

Coisa n.º 2: O leitor juntou Camões e Fernando Pessoa. Camões disse, ao que parece: «Morro com a Pátria». E Pessoa (por interposto Bernardo): «Minha patria é a lingua portuguesa» (assim mesmo, com erros ortográficos). O que o leitor, como muita gente, não sabe, é que o Poeta das personalidades múltiplas acrescentou, entre outras coisas meio parvas, que «... odeio, com odio verdadeiro, com o unico odio que sinto, ... a pagina mal escripta, como pessoa própria, a syntaxe errada, como gente em que se bata, a orthographia sem ípsilon, como escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse». Nem preciso de acrescentar que o Acordo Ortográfico de 1990 veio reintroduzir o «Y» no nosso alfabeto, que umas décadas antes tinham roubado a Fernando Pessoa. Ele também havia de preferir esta ortografia atual à de 1945...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!