segunda-feira, 22 de junho de 2015

Que borga!

Houve eleições na Dinamarca e o resultado não agradou aos bem-pensantes (mesmo os que seguiram, deliciados, a telenovela nórdica Borgen).


Vivo em permanente espanto com esta gente.
O que, na Grécia, é uma lição para a Europa e um banho de democracia e legitimidade, de tal forma que o universo se enche de lamentações sobre a forma como as forças ocultas estão a tentar vergar a vontade de todo um Povo, na Dinamarca, como na Holanda, no Reino Unido, na Finlândia ou em França é um crime de lesa-democracia, perpetrado por energúmenos fascistas.

Nestes casos, pouco importa que sejam grande parte dos cidadãos desses países: não são de esquerda, não são gente séria, dizem-nos os nossos sábios.
Pouco importa, também, que estes "partidos xenófobos" sejam gémeos do partido que, na Grécia, se aliou ao Syriza para governar contra a Europa. Que o Syriza, em votos expressos, represente menos de um em cada três gregos. Ou que o seu programa seja igualmente confrontador dos princípios e das regras da União a que a Grécia, aparentemente, quer continuar a pertencer.




Sem comentários:

Enviar um comentário

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!