sexta-feira, 15 de maio de 2015

A minha autobiografia desautorizada

Nasci.
Sei-o porque mo dizem, porque estou aqui e também porque tenho uns documentos que o comprovam. Mas não me lembro.
Depois vivi, ou fui vivendo, ao sabor das circunstâncias e das vontades - minhas e dos outros.
Penso que hei de morrer. Não sou menos nem mais.


A minha autobiografia, um livro grosso, será escrita por um autor anónimo, a quem não autorizarei nada.

2 comentários:

  1. Um post absolutamente fantástico! Adorei! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por vezes, alguém repara em mim. Junto, então, mais uma página ao livro grosso. Obrigado!

      Eliminar

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!