quarta-feira, 15 de abril de 2015

Aprilfest



Para jogar como em 1987 é preciso, acima de tudo, valentia. Com aquela valentia, pode até jogar-se de forma cobarde e nem merecer ganhar - o que importa é não admitir, nem por um minuto, que "eles" ganhem.

Mas as armas que temos hoje não são as de há quase trinta anos. A um grupo de mercenários não se pode pedir o mesmo que davam os que jogavam com espírito de voluntários milicianos. Onde Brahimi é um artista, Madjer era um visionário. Danilo será um galático, mas João Pinto era o Capitão que vinha de outra dimensão. Casemiro corre, mas André chegava sempre primeiro. Óliver pode fazer malabarismos, mas Futre era completamente louco.

O que vos pedimos, hoje, é não sejam vocês mesmos, não sejam o que têm sido - mesmo nos melhores momentos. Pensem antes que são os sobreviventes de uma aventura épica e que têm, novamente, que salvar o mundo.

Ou não pensem: façam. No fim do jogo podem voltar ao relvado para apanhar a pele.




Sem comentários:

Enviar um comentário

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!