sábado, 30 de novembro de 2013

Páginas imortais 59: Platero e Eu

(Ed. Livros do Brasil)
Uma volta mais séria, e certamente mais bem escrita, ao tema dos burros.

Platero y Yo (Elejía andaluza), que me traz sempre de volta recordações da vida na aldeia e as cálidas tardes de verão, subitamente cortadas pelo zurro dos burros, é o livro que eu comprei mais vezes, para oferecer.

Foi escrito pelo poeta andaluz Juan Ramón Jiménez, prémio Nobel da Literatura em 1956, que morreu no exílio, em San Juan de Puerto Rico (1958).

O livro , com primeira edição de 1914, conta, em curtas pinceladas, as deambulações do Poeta pela sua Moguer natal, na companhia do burro Platero.





Para ler na íntegra: http://pdf.edocr.com/d602a452a24f48776b7c467683b59ba4d57c5efb.pdf

4 comentários:

  1. Meu caro, hoje quebro o silêncio pela ideia brilhante desta referência ao "Platero". Que não é apenas um livro. É um tempo. Prateado...
    Um abraço.

    ResponderEliminar

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!